Bússola sem norte

Bússola sem norte
Sofia Francisco, Professora de Inglês

Olá, chamo-me Sofia, sou mãe de dois rapazes e de uma cadela, gosto de escrever e de dançar, tenho mais dúvidas do que certezas e, pelas minhas contas, já achei que estava infetada com o novo coronavírus mais de dez vezes.

Esta é a minha primeira crónica na Bússola e nem hesitei em responder afirmativamente ao convite para a escrever. Afinal, nestes tempos tão escuros e sombrios em que estamos a viver, nada melhor que uma Bússola para nos orientar, indicar um caminho e nos dar orientações até uma direção desejada. Se depois respeitaremos as indicações, isso já é outro assunto e, se estiveram atentos ao primeiro parágrafo, quando me descrevi, eu não disse que era bem mandada. 

Tenho cinquenta anos, sou uma miúda do Oeste que aprendeu a nadar nas águas da Praia de Paredes da Vitória e ando, como vós, a tentar sobreviver a este vírus que nos faz sentir num episódio de Black Mirror. Sigo as recomendações  da Direção Geral de Saúde (nisso faço o que me mandam), saio de casa só para o essencial e  tenho passado os dias a fugir à tentação de contar os dias num calendário como se estivesse aprisionada, e a tentar fazer com que cada dia importe.

Leio, tiro partido de morar numa casa de uma aldeia pequena e ponho a música bem alto, danço, ando a ver a série Killing Eve e já sonhei que matava com um machado os que furam o confinamento, faço bolos de banana, telefono e mando mensagens a quem não poderia deixar de o fazer e seleciono cada vez mais o que vejo nas redes sociais. Sou como o comum dos mortais, tenho dias em que encaro a vida e o dia corre bem e outros em que me arrasto como se o meu corpo andasse com a alma a reboque.

Neste janeiro de 2021, procuro, tal como a maioria de vós, orientar-me em casa nestes tempos pandémicos. É que, mesmo já existindo um plano de vacinação contra a Covid-19, ainda não há uma bússola certeira que nos ajude a fugir de nos infetarmos. Há, contudo, esta Bússola, onde tenho agora o privilégio de escrever, que nos oferece música, ideias, sonhos, propostas para passearmos quando desconfinarmos e textos de pessoas tão diferentes e tão iguais como eu.  Quanto a mim, mensalmente, prometo seguir a agulha que encontra o polo Norte geográfico e comparecer aqui na Bússola.

Acompanham-me na viagem?

Crónicas do mesmo autor

19 Julho, 2021
Na semana passada, dei por mim a olhar para a minha capa de telemóvel, comprada por impulso e pouca necessidade, numa loja do aeroporto, com a inscrição “Fight like a girl”.  Pois muito bem,...
01 Junho, 2021
Filosofia barata é a minha. Não me custa nem um cêntimo, mas tem-me  ajudado a viver melhor. Eu explico. Tenho cinquenta e um anos e jamais me ouvirão um queixume a dizer que estou velha....
23 Abril, 2021
Nasci quatro anos antes do 25 de abril de 1974 e, até aos dezasseis, andei tão entretida com os muitos romances que lia, com os amores que vivia  (e com os que só existiam na...

Leia também

Sofia Francisco, Professora de Inglês
Sofia Francisco, Professora de Inglês
Sofia Francisco, Professora de Inglês